Arquivo mensal: maio 2013

o amor, que era ela

E tinha a minha bisavó, muito velhinha e linda. Rosto marcado de tempo e sofrimento. Rezava um rosário todo dia. Que eu nunca esqueça seus vestidinhos floridos, seus poucos filhos de barriga e os muitos de coração. Tomara que eu nunca esqueça a marrafa que ela usava pra pentear e prender em um coque os cabelos que nunca foram pintados – e, mesmo assim, tinham um tom muito bonito de cinza. Ela sabia a cura de todos os males – lambedor, chá, folhas e ervas. Me ensinou a rezar – vou esquecendo disso. Tinha uma pimenteira no muro  – uma vez, achando bonito o vermelho da pimenta e o verde das folhas, passei a pimenta na boca. Que eu nunca esqueça o amor que ela tinha pelo meu bisavô e as histórias de botija e de trancoso. A casa era de vila, móveis velhos, teto sem forro – mas nunca faltou um prato de comida a quem precisasse, gente ou bicho. Que o doce de leite de caroço, o pote de barro e fotografias de santo sempre me lembrem ela.

Que eu nunca esqueça o amor, que era ela.

Anúncios

nostálgica

Pedaço de folha de caderno,  fotografia, ingresso de show. Poeira, tosse. Papel de bala, folheto de museu, envelope com uma carta vinda de outra cidade – tempo pra ler o que tem nela – post-it, adesivo, bilhetinho de escola. Suspiro. Saudades do colégio: esquisito. Espirro, pausa pra pensar que já deveria ter feito isso antes. Caixa de chocolates pra guardar miudezas. Um brinco sem par. Guardanapo do bar daquele dia. Um grampo de cabelo – sempre útil.  Uma chave – de onde, mesmo? A imagem do galã cortada da revista, a página que soltou do livro preferido, a flor seca da primeira vez que ganhou um buquê.