cotidiano

Ela vem pra cama achando que não fez barulho quando tropeçou na mesinha e derrubou as chaves. Tira a roupa,  sai jogando tudo no caminho pro banheiro, fecha a porta. Quando ela abre, sinto cheiro de sabonete, creme e pasta de dente. Talvez por pensar que eu ‘tou dormindo, senta na beirada da cama e fica olhando pra mim com um sorriso besta na cara. Dou um susto nela – “Porra, Abelardo, tu sabe que eu detesto essas coisas!” e faz careta (mas se sente culpada por ter me acordado). Se joga na cama e eu me aproximo pra dar um beijo nela, o gosto é de pasta de dente – e cigarro. Eu pergunto “você fumou?” e ela diz “claro que não”. Insisto e ela nega. Pergunto mais uma vez, nós dois rimos. “Tem certeza?”, falo só pra encher o saco, e ela conta como o chefe dela tratou ela mal. E começa a chorar. “TPM?” eu arrisco; ela me dá um tapa. Fico só olhando, de longe, sem saber muito bem o que fazer. “Me abraça, retardado” – ainda bem que ela é muito clara. Fico com os braços ao redor dela até sentir que ela dormiu (e eles estão dormentes). Sinto uma coisa engraçada no estômago quando penso que podia matar o filho duma puta do chefe dela, bastava ela pedir. Aí eu viro pro outro lado e volto a dormir.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s